cbd para alzheimer
11 min.

Update:

CBD PARA ALZHEIMER

Pesquisas fornecem cada vez mais evidências de que o canabidiol tem muitos benefícios para a saúde do corpo humano. A principal vantagem da planta de cânhamo é que ela tem uma menor concentração de THC e outros componentes que fazem a canábis exibir alguns efeitos psicoactivos. No lugar do THC, a planta do cânhamo tem mais concentração de canabinóides que são muito úteis para o funcionamento do corpo.

Estudos demonstraram que o canabidiol presente na planta do cânhamo pode ajudar com sucesso no tratamento de muitas doenças, incluindo o Alzheimer12

Segundo a Organização Mundial da Saúde3 , a doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência e pode contribuir com 60-70% dos casos. Em todo o mundo, cerca de 50 milhões de pessoas têm demência e há quase 10 milhões de novos casos a cada ano.

Estima-se que Portugal tenha por volta de 200 mil pessoas com demência. Segundo a OCDE, Portugal é o 4° país com mais casos por cada mil habitantes4. A média é de 14.8 casos por cada mil habitantes, já Portugal tem uma média de 19.9. Projeções feitas pela Alzheimer Europe, estimam que a quantidade de casos aumentem por volta de 18% até 2025.

O que é a doença de Alzheimer?

A doença de Alzheimer é um distúrbio neurodegenerativo que está ligado ao declínio cognitivo e à perda neuronal progressiva. É a forma mais comum de demência e geralmente afecta pessoas com 65 a 80 anos de idade. Essa condição é causada por alguns factores diferentes, a genética é um deles.

Embora os sintomas possam variar e piorar lentamente com o tempo, os resultados geralmente são os mesmos. Isso inclui comprometimento cognitivo, perda de memória de longo e curto prazo, dificuldades de fala, depressão, comportamento agressivo e psicose.

Em estágios mais avançados, pode ser necessário te ter que contar com a ajuda de cuidadores ou de familiares em tempo integral. Embora os medicamentos tradicionais administrados para a doença de Alzheimer possam ajudar a aliviar os sintomas, esses tratamentos não podem reverter a condição ou retardar sua progressão.

Por que o CBD pode funcionar no tratamento da doença de Alzheimer?

Como os endocanabinóides naturais no corpo humano, os canabinóides de origem vegetal, como o CBD, podem activar alguns receptores e ajudar com a diminuição do aparecimento dessas condições neurológicas. Por exemplo, estudos clínicos comprovaram que o CBD pode melhorar problemas comportamentais nos problemas da doença de Alzheimer, como problemas de apetite ou com a deterioração dos padrões de sono5 .

Quais são os benefícios do uso do CBD no tratamento da doença?

O canabidiol (CBD) é um produto derivado da planta do cânhamo. Portanto, é seguro usar e tem menos riscos e efeitos colaterais do que os medicamentos normalmente prescritos. Embora seja proveniente da fábrica de cânhamo, o CBD não cria um efeito “mocado” ou qualquer forma de intoxicação causada pelo THC. Aqui estão apenas mais alguns benefícios do tratamento com CBD para o Alzheimer:


Os distúrbios neurodegenerativos, como a doença de Alzheimer, geralmente resultam na inflamação dos tecidos neurais, que acontece como um mecanismo de defesa nos estágios iniciais. No entanto, esse sintoma pode evoluir para uma cadeia de reacções descontroladas. Assim, o uso do CBD como anti-inflamatório tem demonstrado ajudar com o retardo da progressão da condição6 .

As liberações de stresse oxidativo e oxigénio reactivo estão basicamente ligadas à inflamação imunológica e a elementos-chave da doença de Alzheimer. Como resultado, reduz a capacidade antioxidante de suas células e leva à produção de radicais livres, além de reacções com ácidos graxos e proteínas nas membranas celulares. Quando o beta amilóide está presente, o oxigénio reactivo nas células adjacentes pode ser elevado através da troca com as membranas, resultando em uma perda de sinapses e neurónios. Assim, o uso do CBD como antioxidante pode ajudar a retardar o processo e aliviar muitos sintomas neurológicos7 .

Outro benefício do uso do CBD no tratamento da doença de Alzheimer é seu potencial auxílio no processo de neurogênese. Os tecidos neurais dos pacientes com Alzheimer costumam ser danificados rapidamente, resultando em alguns efeitos neurológicos graves, como alterações na personalidade, perda cognitiva e de memória. Isso significa que uma pessoa que já foi gentil, gentil e amorosa pode se tornar egoísta e mesquinha, o que pode ser difícil para seus entes queridos entenderem. Com o uso do CBD para estimular o tecido neural, esses pacientes podem retardar o crescimento desses efeitos devastadores8 .

O papel do sistema endocanabinóide no Alzheimer

O ponto de virada no desenvolvimento do Alzheimer é o surgimento de placas senis, como pequenos fragmentos, que são a principal causa de perda de memória, morte de células neuronais e alterações comportamentais nos pacientes.

Após uma quebra gradual do processo de memória e comunicação inter-neuronal, eles podem ter dificuldade com tarefas simples, como formar ou recordar memórias e até mesmo com a fala.

Nos últimos anos, muitos médicos e cientistas exploraram o importante papel do Sistema Endocanabinóide (ECS) em doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. Eles descobriram que o receptor CB1, um dos 2 principais receptores endocanabinóides, está distribuído amplamente em várias áreas, como os gânglios da base, hipocampo, córtex e cerebelo. Essas regiões estão ligadas à memória e ao aprendizado e que podem ser afectadas nos estágios iniciais da doença de Alzheimer9 .

Como posso usar CBD para tratar a doença de Alzheimer?

O CBD está disponível em diferentes formas, e sua aplicação no tratamento da doença está crescendo rapidamente. Aqui está um guia básico sobre seu uso para o tratamento dessa condição.

Muitos estudos mostraram que melhores resultados podem ser alcançados ao usar o THC e o CBD concentrado. No entanto, é aconselhável usar THC em menor quantidade para evitar qualquer efeito psicoactivo. O uso do THC também pode ser difícil, já que ainda é ilegal e não pode ser vendido em muitos países do mundo. O óleo de cânhamo com espectro total seria uma opção ideal para quem procura alívio dos sintomas e não quer os efeitos psicoactivos. A maneira mais fácil e eficaz de tomar CBD para pacientes com Alzheimer é consumi-lo por via oral. A maioria das pessoas prefere usar óleo de CBD debaixo da língua. Para quem não acha o canabidiol com o sabor agradável , existem outras alternativas, que podem ser cápsulas, pastas e até mesmo e-líquidos, que podem ser encontrados com diversos sabores.

Dosagem de CBD para o Alzheimer

Quando se trata de dosagem ideal, vários factores tem que ser levados em consideração. Alguns desses factores são circunstâncias pessoais, bem como a gravidade e o estágio da doença.

Para saber qual a dosagem ideal para você, é importante estar ciente de que cada pessoa é diferente e, portanto, cada pessoa reage de maneira diferente ao CBD, ou seja, não se baseie em experiências de pessoas que tem os mesmos sintomas. A dosagem recomendada pode variar bastante de produto para produto, causando confusão. A dosagem também depende da percentagem de óleo CBD que é usado.

Recomendamos o método Step-up, que foi desenvolvido por Leinow & Birnbaum em seu livro “CBD: Guia do paciente para a canábis medicinal”10 . Em seu livro, eles recomendam começar com uma micro dose para a doença de Alzheimer. Para saber mais sobre a dosagem ideal e todas as informações necessárias, leia nosso artigo sobre a Dosagem de CBD.

O que os estudos estão dizendo sobre o uso de CBD para o Alzheimer?

Um pequeno e notável estudo realizado em 2016 preparou o terreno para o uso de CBD no tratamento da doença de Alzheimer. Um grupo de 10 pacientes foi empregado para medir o resultado do uso de CBD em 4 semanas. O estudo mostrou que houve uma redução significativa na pontuação do NPI ou do inventário neuropsiquiátrico de 44,3 para 12,91011 . Isso significa uma alta diminuição de agressão, agitação, ilusão, apatia e irritabilidade. Esses resultados foram tão importantes que acabaram levando a um estudo clínico mais extenso.

Em 2011, um grupo americano de cientistas estudou os impactos do CBD no tratamento da doença de Alzheimer em camundongos. Os resultados indicaram que o CBD pode ser um tratamento promissor para aplicações terapêuticas na doença de Alzheimer. Além disso, mostrou que CBD pode promover o desenvolvimento ou crescimento de neurónios. Neurogênese reduz o colapso das funções cognitivas12 .

Referências

  1. Kogan, Natalya M., and Raphael Mechoulam. “Cannabinoids in health and disease.” Dialogues in clinical neuroscience 9.4 (2007): 413. []
  2. Iuvone, T., Esposito, G., De Filippis, D., Scuderi, C. and Steardo, L. (2009). Cannabidiol: A Promising Drug for Neurodegenerative Disorders?. CNS Neuroscience & Therapeutics, 15(1), pp.65-75. []
  3. Expert Committee on Drug Dependence (2018). CANNABIDIOL (CBD). [online] World Health Organization. []
  4. OECD, 10 de Novembro de 2017. “Health at a Glance 2017” [online] []
  5. Karl, Tim, Brett Garner, and David Cheng. „The therapeutic potential of the phytocannabinoid cannabidiol for Alzheimer’s disease.“ Behavioural pharmacology 28.2 (2017): 142-160 []
  6. Lodzki, M., et al. „Cannabidiol—transdermal delivery and anti-inflammatory effect in a murine model.“ Journal of controlled release 93.3 (2003): 377-387 []
  7. Hampson, Aidan John, et al. „Neuroprotective Antioxidants from Marijuana.“ Annals of the New York Academy of Sciences.899.1 (2000): 274-282. []
  8. Watt, Georgia, and Tim Karl. „In vivo evidence for therapeutic properties of cannabidiol (CBD) for Alzheimer’s disease.“ Frontiers in pharmacology 8 (2017): 20. []
  9. Pazos, M. R., et al. „Role of the endocannabinoid system in Alzheimer’s disease: new perspectives.“ Life sciences 75.16 (2004): 1907-1915 []
  10. Leinow, L. and Birnbaum, J. (2017). CBD: A Patient’s Guide to Medicinal Cannabis. North Atlantic Books. []
  11. Kluger, Benzi, et al. “The therapeutic potential of cannabinoids for movement disorders.” Movement disorders 30.3 (2015): 313-327. []
  12. Watt, Georgia, and Tim Karl. “In vivo evidence for therapeutic properties of cannabidiol (CBD) for Alzheimer’s disease.” Frontiers in pharmacology 8 (2017): 20. []

Connect with CBD users on Facebook
Do you want to benefit from the experience of other CBD users? Do you have questions about CBD? Check out this active CBD group on Facebook.

About The Author

Alyssha Bal

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *