edward cisneros H6wpor9mjs unsplash
4 min.
Última actualização em 13 Setembro 2021

A menopausa é uma fase de “mudança de vida” que marca o fim da capacidade da mulher de ter filhos. É caracterizada pela falta de menstruação por mais de 12 meses. Supõe-se que a menopausa ocorra naturalmente sem alterações fisiológicas e biológicas identificáveis. No entanto, pode ser induzido. Ocorre principalmente entre 40 e 55 anos de idade, mas existem discrepâncias.

A menopausa precoce geralmente tem mais consequências negativas associadas a ela do que a menopausa tardia. A menopausa tardia pode ser causada pelo uso de métodos contraceptivos hormonais ou por um índice de massa corporal insalubre1.

Os motivos da menopausa prematura incluem:

  • Estresse psicológico excessivo
  • Danos causados por radiação devido a quimioterapia ou radioterapia anterior.
  • Certos medicamentos que inibem a produção de estrogênio e progesterona, como os utilizados no tratamento da endometriose.
  • Doenças de longa duração
  • Uma predisposição genética que leva a doenças como a síndrome de Turner.
  • Maus hábitos de vida, principalmente tabagismo e má alimentação.
  • Exposição de longa duração a toxinas nocivas.
  • Possivelmente a falta de uma gravidez.

Sinais e sintomas da menopausa

A menopausa tem um grande número de sintomas que variam em intensidade, desde desconforto leve a interrupção da vida. Estes incluem:

Benefícios do uso de CBD para tratar os efeitos colaterais da menopausa

Há pesquisas crescentes sobre os benefícios do CBD para várias condições médicas. À medida que a base de conhecimento evolui, o CBD pode ser a opção mais segura a longo prazo. Atualmente, não há cura completa para a menopausa prematura. Isso significa que uma mudança no CBD como tratamento alternativo pode ser uma solução. O CBD possui vantagens que incluem, entre outras:

  • Sono de qualidade

Segundo a pesquisa, o CBD tem um efeito positivo na quantidade e qualidade do sono. Estabiliza a pressão sanguínea e relaxa os músculos2 .

  • Crescimento ósseo

Segundo estudos, o CBD estimula o crescimento da densidade óssea. A osteoporose é um dos sintomas mais infelizes da menopausa e o CBD pode estimular um aumento na densidade óssea3.

  • Substituição de medicamentos hormonais

Pesquisas mostram que o CBD pode ser um substituto para medicamentos hormonais prescritos. Medicamentos prescritos têm muitos efeitos colaterais negativos. O CBD pode ser usado para substituí-los por menos efeitos colaterais4.

  • Estabilização de humor

Mudanças de humor são um sintoma comum da menopausa que faz as mulheres se sentirem irritadas e deprimidas. Existem muitos estudos disponíveis que comprovam que o CBD é um estabilizador de humor eficaz5.

O papel do sistema endocanabinóide na menopausa

O sistema endocanabinóide (SEC) é um sistema de neurotransmissores retrógrados baseados em lipídios endógenos, conectados a receptores canabinóides. Sua principal função é regular as funções endócrinas, imunológicas e cerebrais. As funções de satélite do sistema endocanabinóide incluem regulação da dor e do sono, crescimento ósseo saudável e estabilização do humor.

Durante a menopausa, o sistema se deteriora e leva ao desequilíbrio de estrogênio e progesterona. Isso leva à maioria dos sintomas e consequências da menopausa. Os receptores canabinóides respondem muito bem ao CBD e são uma parte vital deste sistema, portanto, o tratamento com CBD é facilmente assimilado no funcionamento natural do sistema endocanabinóide e tem a capacidade de aumentar as funções efetivamente.

Como usar o CBD para tratar os efeitos colaterais da menopausa

Dependendo da área do problema, existem várias maneiras de usar o CBD. Para melhorar a qualidade da pele, existem cremes e óleos tópicos que podem ser aplicados diretamente na pele. Para estabilização do sono e do humor, existem líquidos para vaping e comestíveis que você pode ingerir ou fumar para levá-los à corrente sanguínea. Os óleos CBD também podem ser ingeridos e misturados com alguns alimentos ou bebidas. Óleos e aerossóis sublinguais também são outros métodos para administração localizada de CBD. Existem também algumas variedades de cannabis com alto conteúdo de CBD e que, dependendo das leis e regulamentos locais, podem ser usadas como maconha medicinal. O uso do CBD depende do efeito desejado.

Dose de CBD para menopausa

A dose correta de CBD variará dependendo de muitos fatores, como a gravidade dos sintomas e a química do corpo. Todos devem encontrar uma dose que funcione para eles pessoalmente. Para fazer isso, recomendamos o uso do método impressionante, desenvolvido por Leinow e Birnbaum6 em seu livro “CBD: Guia do paciente para a cannabis medicinal”.

Para saber como dosar adequadamente o óleo de CBD, leia nosso artigo sobre a dosagem de CBD.

O que dizem as pesquisas sobre o tratamento da menopausa com CBD?

Embora não haja ensaios clínicos, o tratamento da menopausa com CBD recebeu depoimentos brilhantes dos usuários. Estes não podem ser considerados como um ensaio clínico de classe, mas dão crédito à teoria de que o CBD funciona. Há relatos de usuários de que não há efeitos colaterais significativos e que os resultados são muito melhores que os dos tratamentos existentes. O CBD também pode ser tomado de várias maneiras que são muito mais confortáveis do que engolir comprimidos ou injeções. Foi relatado que é mais benigno no fígado e nos rins, os órgãos que quebram as toxinas no corpo. O fato de não possuir o alto nível associado à maconha significa que os usuários também podem reter toda a funcionalidade enquanto usam tratamentos com CBD.

Referências

  1. Greendale, Gail A., Nancy P. Lee, and Edga R. Arriola. „The menopause.“ The Lancet 353.9152 (1999): 571-580. []
  2. Hill, M. and Gorzalka, B. (2009). The Endocannabinoid System and the Treatment of Mood and Anxiety Disorders. CNS & Neurological Disorders – Drug Targets, 8(6), pp.451-458. []
  3. Kogan, Natalya M., et al. „Cannabidiol, a Major Non‐Psychotropic Cannabis Constituent Enhances Fracture Healing and Stimulates Lysyl Hydroxylase Activity in Osteoblasts.“ Journal of Bone and Mineral Research 30.10 (2015): 1905-1913. []
  4. Corroon Jr, James M., Laurie K. Mischley, and Michelle Sexton. „Cannabis as a substitute for prescription drugs–a cross-sectional study.“ Journal of pain research 10 (2017): 989 []
  5. Zanelati, T. V., et al. „Antidepressant‐like effects of cannabidiol in mice: possible involvement of 5‐HT1A receptors.“ British journal of pharmacology 159.1 (2010): 122-128. []
  6. Leinow,, L. and Birnbaum, J. (2017). CBD: A Patient’s Guide to Medicinal Cannabis. North Atlantic Books. []

Autor

Especialista em CBD | Ver os postos

Com quase duas décadas de sucesso na indústria de mídia, eu sentia certamente que me faltava uma peça em meu quebra-cabeça da vida. Fiz uma pausa e me propus a buscar o propósito de minha vida. Viajei pelo mundo, deixei as coisas fluir na vida sem resistir, e após cinco anos desafiadores, encontrei meu ritmo. Adoro escrever sobre Cannabis e Saúde e dar meu melhor para simplificar conceitos esotéricos em idéias simples para a vida.

Paula Stipp
Paula Stipp
Tradutora | Ver os postos

Nascida em São Paulo, Brasil, Paula é formada em Publicidade e Propaganda e hoje mora em Munique, Alemanha. Começou sua jornada com o CBD há quase dois anos. Além de sempre se atualizar sobre as novidades do CBD, Paula também compartilha sua experiência com seus clientes de Portugal e do Brasil.

Conecte-se com usuários de CBD no Facebook

Quer saber mais da experiência de outros usuários do CBD? Você tem perguntas sobre o CBD? Há um grupo ativo de CBD no Facebook.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

1 × five =