cbd e gluten - doença celíaca
6 min.

CBD é extraído juntamente com THC da canábis, mas os seus efeitos sobre o corpo humano são mundos à parte. O CBD é reconhecido em todo o mundo1. CANNABIDIOL (CBD). pelos seus benefícios para a saúde devido às suas propriedades anti-inflamatórias2 e capacidade de aliviar a dor3.

Este artigo destaca e discute os benefícios, usos e dosagem do óleo de CBD para a doença celíaca.

O que é a Doença Celíaca?

A doença celíaca é uma doença auto-imune comum que afecta uma parte significativa da população. A reacção imunitária ocorre quando uma pessoa ingere glúten em alimentos como trigo, centeio, e cevada. Quando a pessoa afectada come esta proteína, o seu sistema imunitário responde atacando a parede intestinal. Com estruturas críticas como as vilosidades encontradas em todo o intestino delgado, esta condição tem o potencial de afectar grandemente a saúde.

Após a ocorrência de danos graves nas vilosidades, os seus intestinos delgados tornam-se “disfuncionais”, dificultando assim a absorção dos nutrientes dos alimentos que passam. Isto pode levar a uma condição de subnutrição e, em alguns casos graves, à perda de densidade óssea, abortos espontâneos, desordens neurológicas e infertilidade. Os outros sintomas que deve ter em atenção incluem diarreia, inchaço, excesso de gás, fadiga, perda de peso, anemia por deficiência de ferro, obstipação, erupção cutânea, e úlceras da boca. Em adultos, a doença celíaca é um pouco complicada porque pode abrir caminho para outras condições de saúde como artrite, osteoporose, perturbações hepáticas, depressão, convulsões, e dermatite herpetiforme4.

Por que razão o CBD pode ser um tratamento eficaz para a doença celíaca

CBD é um composto natural obtido do Cannabis Sativa L. (também conhecido como cânhamo). A capacidade do CBD de interagir eficazmente com o sistema endocanabinoide humano é um factor que contribui para a sua eficácia no tratamento da doença celíaca. Este sistema consiste em endocanabinóides, bem como receptores canabinóides CB1 e CB2, que regulam funções corporais como imunidade, sono, apetite, dor, e humor.

CBD desencadeia a produção de CB1 e CB2, impulsionando o sistema imunitário do corpo. Pode também ajudar a aliviar os sintomas da doença celíaca, tais como dor, inflamação, perda de apetite e irritação que afectam o tracto gastrointestinal.

alguns pacientes queixam-se também de náuseas, o que pode levar a apetite e perda de peso. O óleo de CBD tem propriedades anti-náuseas que ajudarão a aliviar tanto a náusea como a perda de apetite e a estimular o metabolismo5

Na maioria dos casos, os pacientes optam por utilizar refeições sem glúten, uma dieta difícil de manter. Em 2003, um estudo sobre Receptores Cannabinoides na Doença Celíaca6 revelou que os receptores canabinoides no tracto intestinal estavam mais difundidos nos doentes não tratados do que naqueles que tinham seguido uma dieta sem glúten durante mais de um ano. Esta desorientação levou os investigadores a acreditar que visar os receptores canabinoides pode ajudar a aliviar os sintomas da doença celíaca

Cientificamente, o CBD tem demonstrado ser um inibidor da enzima FAAH, também conhecida como Fatty acid amide hydrolase7 Esta enzima irá decompor a anandamida que tem propriedades neuroprotectoras. Ao inibir a enzima FAAH, o CBD promove assim os efeitos anti-inflamatórios no interior do intestino.

De acordo com estudos, a doença celíaca pode levar a danos nos nervos8. O CBD pode ser uma solução para a dor da neuropatia9, pois tem neuroprotecção10 propriedades. Tomando óleo de CBD, pode, portanto, ajudar a reparar este dano para uma melhor função nervosa.

Como usar o CBD para tratar a doença celíaca

O óleo de CBD pode ser usado de várias maneiras. Os pacientes preferem sobretudo o método sublingual, onde colocam uma gota de óleo de CBD na língua e deixam um minuto ou assim antes de engolir.

Também se pode usar canetas de CBD (cigarros eletrônicos) para moldar o óleo, tornando assim a absorção rápida e o alívio dos sintomas mais rápido. Se o uso de vaping ou sublingual for problemático, pode usar cápsulas de CBD porque são mais fáceis de ingerir.

O que a pesquisa médica diz a respeito do uso de CBD para doença celíaca

Embora exploremos os efeitos potenciais do óleo de CBD na abordagem da doença celíaca, temos de admitir que apenas estudos limitados incidem sobre este assunto. Além disso, a maior parte da investigação sobre o óleo de CBD e a doença celíaca acabou por ter resultados inconclusivos. Em 2011, por exemplo, a revista científica PLOS One apresentou uma pesquisa de académicos italianos que estavam determinados a avaliar a possibilidade de reduzir a inflamação intestinal após a utilização de CBD para a doença celíaca11.

De acordo com as suas conclusões, concluíram que o CBD regula as reacções inflamatórias no intestino. Como resultado, previne danos intestinais, um sintoma associado à doença celíaca.

Pesquisa realizada na Universidade de Teramo também teve como objectivo analisar os atributos específicos do Sistema Endocannabinoide12. Embora os seus resultados sejam inconclusivos, os investigadores provaram uma correlação significativa entre o mau funcionamento do sistema endocanabinóide e a patogénese da doença celíaca.

Não obstante, devem ser feitos mais estudos para explorar os efeitos terapêuticos do CBD no sentido de atenuar os sintomas da doença celíaca.

Como dosear correctamente o CBD

Há vários factores a considerar antes de tomar o óleo de CBD. Estes podem incluir a gravidade/fase da sua condição, bem como a forma como o seu corpo tolera o CBD. Embora os efeitos secundários do óleo de CBD sejam raros, existem alguns, dos quais deve estar ciente. Leia o nosso Guia de efeitos secundários do óleo de CBD para informações mais detalhadas.

Para encontrar a dose perfeita de CBD para o seu caso específico, poderá ter de experimentar um pouco e procurar sinais de melhoria. Um grande guia para dosagem de CBD é o método step-up, desenvolvido por Leinow & Birnbaum no seu livro “CBD: Um guia para pacientes usuários de canabis medicinal”13. Os autores recomendam começar com uma dose mais baixa e aumentá-la lentamente até que os sintomas melhorem.

Pode encontrar uma explicação detalhada do método step-up no nosso Guia de dosagem do CBD.

Benefícios do óleo de cbd para a doença celíaca – Sumário

  • Combate a inflamação
  • Relaxa (neuropatia) dor
  • Melhora o apetite
  • Irritação dos calos no tracto gastrointestinal.

Baseado nos vários estudos disponíveis, é evidente que a relação entre o óleo de CBD e a doença celíaca existe. O óleo de CBD pode aliviar a inflamação no sistema nervoso e imunitário, para além de eliminar outros sintomas como a dor. Isto também melhorará a qualidade do sono ao mesmo tempo que melhora o apetite.

Apesar dos numerosos benefícios frutuosos do tratamento da doença celíaca com óleo de CBD, é sensato esperar por estudos científicos adicionais para testar se o óleo pode ser um alívio fiável para a doença celíaca. No entanto, é possível gerir a doença celíaca mantendo um plano de dieta livre de glúten.

Referências

  1. Expert Committee on Drug Dependence (2018 []
  2. Nagarkatti, Prakash, et al. (2009) “Canabinoids as novel anti-inflammatory drugs.” Future medicinal chemistry 1(7).1333-1349. []
  3. De Gregorio, D., McLaughlin, R., Posa, L., Ochoa-Sanchez, R., Enns, J., Lopez-Canul, M., Aboud, M., Maione, S., Comai, S., e Gobbi, G. (2019). Cannabidiol modula a transmissão serotonérgica e inverte tanto a alodinia como o comportamento de ansiedade num modelo de dor neuropática. PAIN, 160(1), pp.136-150.) Como resultado, poderia ser considerado um tratamento eficaz para condições de saúde como a doença celíaca. A doença celíaca é uma condição auto-imune que torna a parede intestinal reactiva ao glúten ((Celiac Disease Foundation. (2019). O que é a Doença Celíaca? | Fundação para a Doença Celíaca. Disponível em: https://celiac.org/about-celiac-disease/what-is-celiac-disease/ []
  4. Celiac Disease Foundation. (2019). O que é a Doença Celíaca? | Fundação para a Doença Celíaca. [online] Disponível em: https://celiac.org/about-celiac-disease/what-is-celiac-disease/. []
  5. Parker, L., Rock, E., e Limebeer, C. (2011). Regulação das náuseas e vómitos por canabinóidess. British Journal of Pharmacology, 163(7), pp.1411-1422. []
  6. Battista, N., Di Sabatino, A., Di Tommaso, M., Biancheri, P., Rapino, C., Giuffrida, P., Papadia, C., Montana, C., Pasini, A., Vanoli, A., Lanzarotto, F., Villanacci, V., Corazza, G. e Maccarrone, M. (2013). Expressão Aberta de Receptores Canabinoides Tipo-1 e Tipo-2 na Doença Celíaca. PLoS ONE, 8(4), p.e62078. []
  7. Massi, P., Valenti, M., Vaccani, A., Gasperi, V., Perletti, G., Marras, E., Fezza, F., Maccarrone, M. e Parolaro, D. (2008). 5-Lipoxigenase e anandamida hidrolase (FAAH) medeiam a actividade antitumoral do canabidiol, um canabinóide não psicotrópico. Journal of Neurochemistry, 104(4), pp.1091-1100 []
  8. Celiac Disease Foundation). (2019). Neuropathy Linked to Celiac Disease | Fundação da Doença Celíaca. [online] Disponível em: https://celiac.org/about-the-foundation/featured-news/2015/06/neuropathy-linked-to-celiac-disease/ []
  9. Ward, S., McAllister, S., Kawamura, R., Murase, R., Neelakantan, H. e Walker, E. (2014). Cannabidiol inibe a dor neuropática induzida por paclitaxel através dos receptores 5-HT1 sem diminuir a função do sistema nervoso ou a eficácia da quimioterapia. British Journal of Pharmacology, 171(3), pp.636-645. []
  10. Hampson, A., Grimaldi, M., Axelrod, J. e Wink, D. (1998). Cannabidiol e (-) 9-tetra-hidrocanabinol são antioxidantes neuroprotectores. Actas da Academia Nacional das Ciências, 95(14), pp.8268-8273.) e neurodegenerativos ((Iuvone, T., Esposito, G., De Filippis, D., Scuderi, C. e Steardo, L. (2009). Cannabidiol: Uma droga promissora para os Transtornos Neurodegenerativos? CNS Neuroscience & Therapeutics, 15(1), pp.65-75. []
  11. De Filippis, D., Esposito, G.., Cirillo, C., Cipriano, M., De Winter, B., Scuderi, C., Sarnelli, G., Cuomo, R., Steardo, L., De Man, J. e Iuvone, T. (2011). Cannabidiol Reduz a Inflamação Intestinal através do Controlo do Eixo Neuroimunitário. PLoS ONE, 6(12), p.e28159. []
  12. semanticscholar.org. (2013). Os relatórios anedóticos de benefício abundam em Cannabis. [online] disponíveis em https://pdfs.semanticscholar.org/3a67/a6d84199626f644406e09d01303da91d65a3.pdf []
  13. Leinow, L. e Birnbaum, J. (2017). CBD: Um guia sobre a cannabis medicinal para pacientes. North Atlantic Books. []

Connect with CBD users on Facebook
Do you want to benefit from the experience of other CBD users? Do you have questions about CBD? Check out this active CBD group on Facebook.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

18 − 3 =