cbd-cancro-pele
11 min.

Update:

O Que é Cancro de Pele e Por Que Usar o CBD para Tratá-lo?

O Cancro de pele é um dos tipos mais comuns, mais tratáveis e, no entanto, também um dos que mais matam. Geralmente, apresenta-se como uma lesão na pele que não cicatriza e tende a continuar crescendo e ulcerando indefinidamente. Quando detectado em um estágio inicial, esse cancro geralmente pode ser curado facilmente, por meio da remoção da área afectada. No entanto, a situação pode ficar um pouco pior após a metástase – o que significa que progrediu abaixo da superfície da pele e se enterrou em órgãos vitais.

Nos últimos anos, houve crescente atenção ao uso de canábis e óleo de CBD para o tratamento do cancro de pele1.

Qualquer pessoa que começar a pesquisar sobre o assunto “CBD para tratamento de cancro de pele” encontrará diversos depoimentos a respeito do uso de óleo de CBD para tal finalidade.

Essas alegações são realistas? Os pacientes devem considerar o uso de óleo de CBD como parte de seu tratamento? Qual é a posição da comunidade científica sobre esse assunto? Estas são apenas algumas das perguntas que serão esclarecidas neste artigo.

Diferentes formas de Cancro de Pele

Existem três tipos principais de cancro de pele: melanoma, carcinoma basocelular (CBC) e carcinoma espinocelular (CEC) – que parecem responder bem ao uso do óleo de CBD. Uma das coisas mais interessantes sobre o uso do óleo de canábis no tratamento do cancro de pele é como ele parece aumentar o efeito dos tratamentos convencionais, o que significa que os pacientes provavelmente se beneficiarão com o uso de óleo de CBD para melanoma, carcinoma basocelular ou carcinoma espinocelular. Pesquisas modernas sugerem2 que o óleo de CBD pode ser usado para tratar cancro de pele sem comprometer o desempenho de tratamentos convencionais.

Tecnicamente falando, o CBD é o componente não psicoactivo da canábis – planta altamente controversa também conhecida como “maconha” que foi proibida em todo o mundo nas últimas décadas. Como o CBD é geralmente derivado do cânhamo industrial (que também é um tipo de canábis), hoje em dia muitos países adoptaram seu uso, desde que não contenha uma alta concentração de THC. Nos União Europeia, muitos países vendem abertamente produtos de CBD.

Neste ponto, o óleo de CBD para tratamento de cancro de pele está prestes a ser oficialmente reintroduzido na medicina moderna. Como as administrações políticas estão compreensivelmente lentas e cautelosas nos avanços científicos, muitos pacientes buscam por seu CBD on-line para tratar o cancro de pele, especialmente em locais onde a legalização da canábis ainda não se desenrolou completamente.

O que dizem as pesquisas médicas sobre o uso de Óleo de CBD para o tratamento do Cancro de Pele?

Qualquer pessoa que deseje acompanhar as pesquisas médicas sobre o óleo de canábis como um possível tratamento contra o cancro encontrará enormes quantidades de informação disponíveis on-line. Ultimamente, a canábis tem sido extensivamente estudada3 , com resultados promissores que já levaram ao desenvolvimento dos primeiros produtos farmacêuticos à base de canabinóides.

Actualmente, há poucas razões para duvidar da canábis e se seus extractos são remédios reais, que podem ser valiosos no tratamento do cancro, assim como em muitas outras doenças físicas e mentais. Para entender como isso é possível, um bom ponto de partida pode ser ler sobre o sistema endocanabinóide.

Embora só tenha sido descoberto nas últimas décadas, esse é o maior sistema de neurotransmissores do corpo humano. Ele desempenha um papel fundamental na regulação da manutenção da saúde física e mental do nível celular e é activado pelos compostos únicos disponíveis na planta da canábis. Esses compostos, incluindo CBD, THC e vários outros canabinóides, imitam substâncias que nosso corpo produz naturalmente, extremamente importantes para a manutenção da boa saúde4 .

Há muitas pesquisas médicas explorando e avaliando a relação entre o CBD e o cancro em geral, o que dá esperança aos pacientes que sofrem especificamente de cancro de pele. Estudos têm demonstrado que o canabidiol pode promover a morte apoptótica de células cancerígenas5 agindo independentemente dos receptores CB1 e CB2. A maneira como isso acontece ainda não é totalmente conhecida, por enquanto. No entanto, supõe-se que seja devido à capacidade do composto de aumentar a produção de espécies reactivas de oxigénio nas células cancerígenas6 .

Como usar o Óleo de CBD para tratar o Cancro de Pele?

Como o óleo de CBD puro é extremamente espesso e pesado, às vezes é diluído em um óleo transportador, como o óleo de coco, para facilitar a aplicação na pele e melhorar a absorção. Alguns pacientes também diluem o óleo em álcool (criando uma pomada de fricção), enquanto outros apenas aplicam o óleo puro directamente. O que ocorre é que, enquanto os canabinóides à base de plantas permanecerem em contacto com a ferida cencerígena, a recuperação começará e a lesão mostrará sinais de cura em poucos dias.

Vale ressaltar que os resultados parecem depender da dose e, normalmente, é necessária uma forte concentração de óleo de canábis, aplicado regularmente e em quantidade suficiente para uma lesão de cancro de pele, a fim de curá-la efectivamente. Além de aplicar o óleo de CBD na lesão cancerígena (se possível), também é recomendável ingerir óleo de CBD para estimular o sistema imunológico7 , minimizar efeitos colaterais e melhorar a taxa de sucesso dos tratamentos convencionais contra o cancro.

Óleo de CBD para o Cancro de Pele: Qual a dosagem certa?

O óleo de CBD quase não tem toxicidade e não apresenta efeitos colaterais relevantes8 , o que significa que os pacientes não devem se preocupar com a superdosagem. De fato, se um paciente obtiver resultados positivos usando o óleo, pode valer a pena tentar aumentar a dose para acelerar a taxa de recuperação.

Dosagem de CBD para Cancro de Pele

Encontrar a dose certa de óleo de CBD para tratar o cancro de pele dependerá de vários factores, como a tolerância ao CBD, bem como a gravidade de sua condição. Recomendamos começar com uma baixa dose e aumentar gradualmente a dosagem até que seja possível perceber uma melhora. Nossa recomendação é do livro “CBD: Guia do Paciente para Canábis Medicinal”, de Leonard Leinow e Juliana Birnbaum9. Descrevemos essa abordagem em detalhes em nosso post sobre dosagem de CBD.

O óleo de CBD é seguro para uso tanto para ingestão como para aplicação externa e, de fato, deve ser administrado das duas formas ao mesmo tempo para obter os melhores resultados. Pacientes submetidos a quimioterapia ou radioterapia como parte de seu tratamento contra o cancro podem se beneficiar muito adicionando óleo de CBD em suas dietas. Existem muitos estudos disponíveis que mostram que o CBD é muito útil para minimizar os efeitos colaterais dos tratamentos convencionais para cancro, e algumas evidências sugerem que seu uso está associado a melhores taxas de sobrevivência10.

Usando o Óleo de CBD para tratar Cancro de Pele em Animais de Estimação

Isso pode parecer um pouco surpreendente, mas o uso de óleo de CBD para tratar cancro de pele em animais de estimação também é um assunto popular. A canábis medicinal é tão eficaz em animais de estimação11 quanto em humanos. De fato, parece ser eficaz em todos os animais vertebrados, uma vez que foi estabelecido que todos eles têm um sistema endocanabinóide, assim como os humanos.

O óleo de CBD utilizado para tratar cancro de pele em animais de estimação não é o mesmo óleo usado no tratamento de pacientes humanos, pois o usado em animais não contém terpenos. No entanto, é usado da mesma maneira, idealmente, aplicando o óleo directamente na lesão da pele, na sua forma pura ou diluída. Os produtos derivados do óleo de CBD são seguros para uso em humanos e em seus animais de estimação e, da mesma forma que o tratamento de pacientes humanos, é aconselhável fornecer um pouco de óleo a animais doentes para melhorar o tratamento já em curso.

Considerações finais sobre o CBD para o tratamento do Cancro de Pele

Esperamos que essas informações tenham esclarecido a utilidade do CBD para tratar o cancro, bem como o potencial clínico dos compostos canabinóides disponíveis apenas na planta da canábis. Nos próximos anos, é muito provável que a canábis se torne cada vez mais popular na medicina convencional. No entanto, pacientes que estão tratando um cancro de pele no momento não têm o luxo de esperar e, por isso, é aconselhável aprender mais sobre o sistema endocanabinóide e sua relevância para o tratamento do cancro.

Referências

  1. Cannabis Oil Success Stories. (2019). Cannabis Oil Success Stories for all types of dis-ease. [online] []
  2. Velasco, G., Sánchez, C. and Guzmán, M. (2016). Anticancer mechanisms of cannabinoidsCurrent Oncology, 23, p.23. []
  3. NCCIH. (2019). Marijuana and Cannabinoids. [online] []
  4. McPartland, J., Guy, G. and Di Marzo, V. (2014). Care and Feeding of the Endocannabinoid System: A Systematic Review of Potential Clinical Interventions that Upregulate the Endocannabinoid System. PLoS ONE, 9(3), p.e89566. []
  5. Shrivastava, A., Kuzontkoski, P., Groopman, J. and Prasad, A. (2011). Cannabidiol Induces Programmed Cell Death in Breast Cancer Cells by Coordinating the Cross-talk between Apoptosis and Autophagy. Molecular Cancer Therapeutics, 10(7), pp.1161-1172. []
  6. Massi, P., Valenti, M., Vaccani, A., Gasperi, V., Perletti, G., Marras, E., Fezza, F., Maccarrone, M. and Parolaro, D. (2008). 5-Lipoxygenase and anandamide hydrolase (FAAH) mediate the antitumor activity of cannabidiol, a non-psychoactive cannabinoidJournal of Neurochemistry, 104(4), pp.1091-1100. []
  7. Yasmin-Karim, S., Moreau, M., Mueller, R., Sinha, N., Dabney, R., Herman, A. and Ngwa, W. (2018). Enhancing the Therapeutic Efficacy of Cancer Treatment With CannabinoidsFrontiers in Oncology, 8. []
  8. Crippa, J., Guimarães, F., Campos, A. and Zuardi, A. (2018). Translational Investigation of the Therapeutic Potential of Cannabidiol (CBD): Toward a New Age. Frontiers in Immunology, 9. []
  9. Leinow,, L. and Birnbaum, J. (2017). CBD: A Patient’s Guide to Medicinal Cannabis. North Atlantic Books. []
  10. Śledziński, P., Zeyland, J., Słomski, R. and Nowak, A. (2018). The current state and future perspectives of cannabinoids in cancer biologyCancer Medicine, 7(3), pp.765-775. []
  11. Iffland, K. and Grotenhermen, F. (2017). An Update on Safety and Side Effects of Cannabidiol: A Review of Clinical Data and Relevant Animal Studies. Cannabis and Cannabinoid Research, 2(1), pp.139-154. []

Connect with CBD users on Facebook
Do you want to benefit from the experience of other CBD users? Do you have questions about CBD? Check out this active CBD group on Facebook.

About The Author

Alyssha Bal

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *