5 FACTOS SOBRE CBD QUE VOCÊ PRECISA SABER
17 min.

CBD é um acrónimo para Cannabidiol, um composto encontrado no cânhamo e na canábis. Quando extraído da planta de cânhamo, o CBD contém THC insignificante ou inexistente. Por carecer dos efeitos intoxicantes e viciantes associados a outros compostos de maconha, como o tetraidrocanabinol (THC), o CBD é legal, vendido e utilizado em muitos países do mundo.

O CBD pode ser encontrado de várias formas, como óleo de CBD, isolado, cristais, cera, líquido para electrónicos, vapes, gomas, pasta, entre outros. Actualmente, há uma tendência crescente do mercado na demanda por produtos relacionados ao CBD e ao cânhamo, que incluem suplementos alimentares, cosméticos, roupas, acessórios etc, e as inovações estão bombardeando a indústria.

Nas últimas décadas, houve um esforço para a legalização de produtos derivados de CBD e sua introdução no tratamento médico convencional.

Graças às medias sociais, que ajudam a promover uma maior conscientização, desenvolveu-se uma comunidade engajada a tornar mais compreensível a associação do CBD a melhorias na saúde e na sustentabilidade.

Conheça 5 factos interessantes sobre o CBD para esclarecer seu entendimento.

1. O CBD Pode Ajudar a Aliviar o Stress e a Ansiedade

A ansiedade excessiva e desnecessária afeta mais de 40 milhões de indivíduos somente nos Estados Unidos e é, portanto, uma questão genuína de saúde social. Um estudo1 sobre o uso de canabidiol (CBD) para ansiedade demonstrou que o CBD pode aumentar a resposta sináptica no cérebro com os níveis de serotonina.

O stresse não é considerado algo desejável. No entanto, é uma resposta adaptativa natural e crítica que pode ajudar a lidar com as ameaças ao bem-estar e à segurança, desempenhando um papel vital para auxiliar as pessoas a reconhecerem e impedirem possíveis ameaças. São respostas que motivam as pessoas a tomar medidas para lidar com diversas situações (melhorar relacionamentos, pagar contas, trabalhar mais e assim por diante). Algumas pessoas, porém, não conseguem administrar da melhor forma tais respostas naturais e elas, podem, por sua vez, se tornar um incómodo, afectando negativamente os relacionamentos e a produtividade podendo resultar em doenças relacionadas à ansiedade clinicamente diagnosticáveis.

Um estudo2 publicado em 2013 revelou que o tratamento com canabinóides após alguma experiência traumática ou stressante pode ajudar a controlar as respostas emocionais de um indivíduo. Pesquisadores descobriram que os canabinóides podem ser eficazes para minimizar os receptores de stresse no hipocampo – parte do cérebro responsável por essas respostas emocionais.

Uma releitura mais recente3 publicada em 2015 observou que as terapias com canábis também foram eficazes na redução do stresse e da inquietação em veteranos militares que sofriam de Transtorno de Stresse Pós-Traumático.

Bradley E. Alger, cientista e especialista em psicologia experimental de Harvard, afirma, por conta de sua vasta pesquisa4 , que os endocanabinóides são uma ponte entre corpo e mente, onde o sistema imunológico e o sistema nervoso interagem com todos os órgãos do corpo. Essa é uma descoberta importante que nos ajuda a entender o mecanismo e a interconexão estreita entre a actividade cerebral e a saúde física.

Tais estudos fornecem informações interessantes sobre o uso do óleo de CBD no tratamento do stresse e da ansiedade.

2. O CBD pode ajudar a acalmar a Asma

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, 1 em cada 13 pessoas possui asma. Para se ter ideia da dimensão, aproximadamente 25 milhões de americanos sofrem de asma. Alega-se que a asma se tornou uma das doenças mais comuns e consideradas caras, pois reduz em grande parte a produtividade e aumenta os custos médicos do país.

Nos últimos anos, centenas de estudos médicos focados em pesquisas sobre a eficácia do CBD no tratamento da asma foram realizados por várias instituições de pesquisa no mundo todo.

De um modo geral, os estudos5 endossam a eficácia do CBD no tratamento da asma, provando que, para as pessoas que sofrem dessa condição, abraçar a ideia de usar o CBD para tratar a asma é um passo mais próximo do gerenciamento adequado da doença. Os estudos foram conduzidos por diversos profissionais, institutos e organizações que apoiam a eficácia do CBD no tratamento da asma. Esta é uma indicação clara de que, actualmente, esse é um dos métodos de tratamento mais seguros para essa condição.

O CBD fornece um agente anti-inflamatório consideravelmente forte6 . A principal razão pela qual o CBD pode ser adequado no tratamento da asma é o facto de ser poderoso no gerenciamento de respostas inflamatórias desenvolvidas no corpo do paciente.

Curiosamente, existem muitas pesquisas7 e estudos8 sobre as propriedades positivas do óleo de cânhamo no tratamento dos sintomas da asma. A natureza anti-inflamatória intrínseca dos óleos ou produtos de CBD à base de cânhamo responde imediatamente à inflamação do trato respiratório, proporcionando alívio.

Há estudos limitados baseados em evidências sobre o uso de canábis para problemas de saúde relacionados à asma, embora algumas pesquisas revelem que o CBD pode ser favorável à redução da inflamação nas vias aéreas e ajudar o paciente que sofre de asma ou condições alérgicas relacionadas à saúde a respirar normalmente. A Colaboração da CIITECH Universidade Hebraica espera levar adiante essa pesquisa para produzir medicamentos à base de CBD para uso no tratamento da asma e outras doenças inflamatórias no mundo todo.

3. O CBD Mantém seu Coração Saudável

As propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes do CBD ajudam a minimizar o risco de pressão alta e várias outras doenças relacionadas ao coração. Problemas cardiovasculares relacionados a doenças vasculares são uma das preocupações de saúde mais importantes e que exigem cuidados extras, além de conhecimento necessário no caso de um diagnóstico. Aprender e conhecer o CBD é sempre uma boa prática para ajudar você ou alguém com necessidade.

Uma equipe de pesquisa britânica9 descobriu, em 2014, que os resultados de alguns estudos em animais se aplicavam às condições cardíacas humanas. Esses estudos demonstraram que o tratamento com óleo de canábis pode prevenir algumas doenças cardiovasculares, incluindo aterosclerose, ataques cardíacos e derrames.

Os resultados e desenvolvimentos na ciência do CBD do Simpósio Anual da Sociedade Internacional de Pesquisa de Canabinóides (ICRS), realizado em 2019, revelaram ideias interessantes para o sector médico acompanhar, como o potencial terapêutico versátil do CBD. Por exemplo, estudos e pesquisas que fizeram parte deste simpósio conduziram pesquisas pré-clínicas para inferir os efeitos anti-inflamatórios e neuro protectores do CBDA (ácido canabidiolic), que é a versão bruta do CBD encontrada na planta de canábis, que pode ser usada para tratar derrames.

Por outro lado, qualquer medicamento baseado em vegetais ou alopático tem certos efeitos colaterais. Antes de começar a usar um produto específico de CBD, é recomendável que você se familiarize com o conteúdo deles, pois eles se diferem amplamente uns dos outros. Consultar um especialista ao tomar produtos baseados em CBD é sempre o mais indicado.

4. O CBD Pode Ajudar  a Controlar Convulsões

A indústria médica convencional passou anos pesquisando e estudando como incorporar produtos à base de CBD nos cuidados à saúde. O uso mais difundido apoiado pelos médicos é a adopção do CBD no tratamento de doenças neurológicas. O FDA dos EUA (Food and Drug Administration) aprovou legalmente a ingestão oral de CBD como receita para o tratamento de convulsões ou epilepsia em bebes e adultos.

Considerando apenas essa condição, os produtos CBD são um benefício para a humanidade. O primeiro medicamento derivado da planta de canábis a ser aprovado e comercializado é o CBD. O canabidiol demonstrou10 ter propriedades anticonvulsivantes, desempenhando papel significativo na minimização do número de sintomas e convulsões relacionados.

Pesquisas11 revelam que, em condições de epilepsia, o uso de produtos à base de CBD – especialmente na forma de óleo – tem mostrado resultados promissores. Demais pesquisas12 afirmam, ainda, que o CBD apresentou resultados motivadores na redução da recorrência de convulsões em pacientes com síndrome de Dravet e síndrome de Lennox-Gastaut. A divulgação de estudos como esses, baseados em evidências sobre o uso de CBD no auxílio do controle de crises, é motivadora e reforça a necessidade de mais estudos desse tipo, uma vez que a indústria exige dados empíricos que possam complementar a defesa do uso terapêutico da canábis.

Artigo relacionado: CBD para Epilepsia

Somado a isso, questões sobre regulamentações governamentais e legalidades sobre produtos relacionados ao cânhamo, CBD ou canábis ainda são rígidas em muitos países, o que é um obstáculo para pacientes e médicos que procuram o produto para tratar problemas de saúde e não como forma de entretenimento.

Vale ressaltar que o CBD também pode ser surpreendentemente benéfico para convulsões em animais de estimação, especialmente para cães e gatos. Eles também, assim como os humanos, têm um sistema endocanabinóide que responde ao CBD e o mesmo pode ser uma solução para tratar convulsões. Lembre-se da regra de ouro para consultar seu veterinário.

Artigo relacionado: CBD para animais de estimação

5. O CBD Pode Ajudar a Desacelerar o Cancro

O cancro tem sido uma das condições de saúde mais graves que acometem humanos e animais há décadas. Felizmente, vários tratamentos e suplementos alternativos podem ajudar a combater essa condição. A tecnologia médica avançada e esforços contínuos de pesquisa são constantemente realizados para lidar com essa questão com eficiência. Segundo estudos13 , o uso de CBD no tratamento do cancro pode ser bem-sucedido no que se diz respeito ao alívio dos sintomas (sem efeitos colaterais desconfortáveis) com os quais se possa contar.

Existe, ainda, um amplo escopo para extensas pesquisas e estudos científicos sobre o uso de CBD no tratamento de cancro, porém pequenas evidências têm mostrado resultados motivadores no gerenciamento dos sintomas do cancro por meio do uso de CBD.

O National Cancer Institute (EUA) revisa diversos estudos que mostram que o CBD pode ter um efeito protector contra o cancro, pois tem o potencial de reduzir a taxa de disseminação de células cancerígenas no corpo. Isso inclui outros estudos1415 em andamento para o tratamento de vários tipos de cancro. Tanto o cancro quanto seu tratamento podem ser dolorosos, e o CBD funciona como um alívio para lidar com o manejo da dor16 , actuando directamente nos receptores CB2 para dispersar a inflamação e nos receptores CB1 para reduzir a pressão e a dor dos nervos, actuando paralelamente a alguns remédios gerais para tratamento da dor crónica, náuseas17 , controle do apetite etc.

Canabinóides como tetra-hidrocanabinol, endocanabinóides e agonistas sintéticos, bem como o transporte endocanabinóide, mostraram efeitos antitumorigênicos18 . Evidências apontam que os canabinóides podem ser pró-apoptóticos (apoptose é o processo de morte celular que ocorre em organismos multicelulares.) Isso significa que, segundo estudos, os canabinóides podem promover a morte de células cancerígenas14 . Os canabinóides também têm antiproliferativo (o que significa que os canabinóides também interrompem o crescimento e a disseminação das células cancerígenas), ou seja, esses efeitos combatem a migração, invasão e adesão das células.

Mais importante, os pacientes com cancro estão sujeitos a imensas mudanças emocionais devido à natureza da própria condição médica e aos contínuos procedimentos médicos dolorosos que são realizados durante o tratamento, como stress, sensação de fracasso, solidão, abnegação, ansiedade social, raiva, diminuição da auto-estima, depressão etc. Esses são aspectos importantes a serem considerados para manter a saúde mental de um paciente, o papel do CBD é ajudar a melhorar o estado da mente, mantendo-a mais energizada, saudável e livre.

Conclusão

  • É necessário redefinir inibições e mentalidades equivocadas sobre o CBD e iniciar a conscientização e a educação a respeito de seu uso.
  • O medo de dosagens erradas ou a falta de conscientização sobre a quantidade certa são os principais pontos que se deve abordar antes de se alarmar, analisando rapidamente os efeitos colaterais do CBD.
  • É sempre bom consultar um especialista e obter um conselho profissional, juntamente com o histórico médico do paciente, antes de se automedicar com CBD para garantir o uso seguro e colher os benefícios corretos.
  • O consumo de outros medicamentos junto com o CBD também pode alterar o efeito do medicamento.
  • Definir escopo para pesquisa empírica sobre os assuntos micro e macro específicos relacionados ao CBD, seus valores e benefícios terapêuticos.
  • A indústria do CBD está ganhando relevância em indústrias como a médica, dos negócios, pesquisa e ciência.

Referências

  1. Schier, Alexandre Rafael de Mello, et al. “Cannabidiol, a Cannabis sativa constituent, as an anxiolytic drug.” Brazilian Journal of Psychiatry 34 (2012): 104-110. []
  2. Ganon-Elazar, Eti, and Irit Akirav. “Cannabinoids and traumatic stress modulation of contextual fear extinction and GR expression in the amygdala-hippocampal-prefrontal circuit.” Psychoneuroendocrinology 38.9 (2013): 1675-1687. []
  3. Betthauser, Kevin, Jeffrey Pilz, and Laura E. Vollmer. “Use and effects of cannabinoids in military veterans with posttraumatic stress disorder.” American Journal of Health-System Pharmacy 72.15 (2015): 1279-1284 []
  4. Alger, Bradley E. “Getting high on the endocannabinoid system.” Cerebrum: the Dana forum on brain science. Vol. 2013. Dana Foundation, 2013. []
  5. Pini, Alessandro, et al. “The role of cannabinoids in inflammatory modulation of allergic respiratory disorders, inflammatory pain and ischemic stroke.” Current drug targets 13.7 (2012): 984-993. []
  6. Xiong, Wei, et al. “Cannabinoids suppress inflammatory and neuropathic pain by targeting α3 glycine receptors.” Journal of Experimental Medicine 209.6 (2012): 1121-1134 []
  7. Sin, Don D., et al. “What is asthma− COPD overlap syndrome? Towards a consensus definition from a round table discussion.” European Respiratory Journal 48.3 (2016): 664-673. []
  8. Poulain, Magali, et al. “The effect of obesity on chronic respiratory diseases: pathophysiology and therapeutic strategies.” Canadian Medical Association Journal 174.9 (2006): 1293-1299. []
  9. Stanley, Christopher P., and Saoirse E. O’Sullivan. “Cyclooxygenase metabolism mediates vasorelaxation to 2-arachidonoylglycerol (2-AG) in human mesenteric arteries.” Pharmacological research 81 (2014): 74-82. []
  10. Jones, Nicholas A., et al. “Cannabidiol displays antiepileptiform and antiseizure properties in vitro and in vivo.” Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics 332.2 (2010): 569-577. []
  11. Devinsky, Orrin, et al. „Cannabidiol: pharmacology and potential therapeutic role in epilepsy and other neuropsychiatric disorders.“ Epilepsia 55.6 (2014): 791-802. []
  12. Porter, Brenda E., and Catherine Jacobson. „Report of a parent survey of cannabidiol-enriched cannabis use in pediatric treatment-resistant epilepsy.“ Epilepsy & Behavior 29.3 (2013): 574-577 []
  13. Massi, Paola, et al. „Cannabidiol as potential anticancer drug.“ British journal of clinical pharmacology 75.2 (2013): 303-312 []
  14. Shrivastava, Ashutosh, et al. „Cannabidiol induces programmed cell death in breast cancer cells by coordinating the cross-talk between apoptosis and autophagy.“ Molecular cancer therapeutics 10.7 (2011): 1161-1172 [] []
  15. Yamada, Takahiro, et al. „TRPV2 activation induces apoptotic cell death in human T24 bladder cancer cells: a potential therapeutic target for bladder cancer.“ Urology 76.2 (2010): 509-e1. []
  16. Ward, Sara Jane, et al. „Cannabidiol inhibits paclitaxel‐induced neuropathic pain through 5‐HT1A receptors without diminishing nervous system function or chemotherapy efficacy.“ British journal of pharmacology 171.3 (2014): 636-645 []
  17. Meiri, Eyal, et al. „Efficacy of dronabinol alone and in combination with ondansetron versus ondansetron alone for delayed chemotherapy-induced nausea and vomiting.“ Current medical research and opinion 23.3 (2007): 533-543 []
  18. Velasco, Guillermo, Cristina Sánchez, and Manuel Guzmán. “Endocannabinoids and cancer.” Endocannabinoids. Springer, Cham, 2015. 449-472. []

Connect with CBD users on Facebook
Do you want to benefit from the experience of other CBD users? Do you have questions about CBD? Check out this active CBD group on Facebook.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *